Eventos corporativos: novas exigências

Os grandes eventos corporativos estão cada vez mais exigentes. Isto é, os clientes que contratam serviços de empresas especializadas nesta área estão cada vez mais exigentes, em especial os eventos para um público massificado. Essa é a conclusão publicada em um artigo do site britânico AV Magazine, dedicado a temas relacionados com o marketing e o audiovisual .

Eventos para públicos de massas

Importa esclarecer que estamos falando de eventos para grandes públicos. Quanto o foco é seminários ou conferências, para um público, ele mesmo, constituído por profissionais ou agentes corporativos (responsáveis de compras, diretores de marketing, CEOs, etc.,), a envolvência audiovisual não é tão determinante assim. O ambiente é mais formal e tem um maior foco no conteúdo – ainda que o Powerpoint venha perdendo muito de seu antigo charme.

Falamos de eventos corporativos destinado a clientes finais, que por sua vez possam passar a mensagem a amigos, conhecidos e ao grande público em geral, através das mídias sociais. E esse é precisamente um dos pontos que interessa.

Envolvência audiovisual

Antes, era necessário um grande orçamento para criar um grande evento que deixasse uma marca na memória das pessoas. Hoje, com a evolução da tecnologia, não é tão caro assim. A AV Magazine refere que as empresas estão apostando em eventos mais “clean”, com mensagens mais simples e ao mesmo tempo capazes de deixar uma certa marca emocional em seu público. Afinal, é essa emoção que as pessoas irão transmitir no WhatsApp e no Facebook, viralizando a marca, o produto ou o serviço.

E a lição de Jobs?

Entretanto, quem se lembra dos “pitches” de Steve Jobs se pergunta se essa tendência estará assim tão correta. Certo que as pessoas querem emoção, mas a simplicidade do conteúdo não será ainda mais forte? O simbolismo de um “frontman” exibindo, em formato de “one man show”, sua mensagem, da forma mais simples e forte possível? Eis um tema para reflexão dos profissionais de marketing e audiovisual.